O QUE É REPRESENTAR UM POVO?

Este espaço é reservado à publicação de assuntos relacionados ao Direito Administrativo. Entretanto,  resolvi postar a reportagem/homenagem que o DF-TV fez aos militares de brasileiros que estão no Haiti.

Mostra a força daqueles que estão lá para salvar as vítimas de tamanha desgraça, com gestos lindos de amor ao próximo, em oposição à vergonha que Brasília está vivendo com seus políticos.

Vale a pena assistir!



"Em meio à crise moral em que a capital do Brasil se encontra, os militares confirmam o sentido da expressão: servir à pátria.

Brasília: político e patriótica. Dois endereços, duas faces. A da Câmara Legislativa ignora. Já a da Vila Militar, acode. O que é estar a serviço do povo?

“Há tempo de falar e de calar. O meu é tempo de calar”, enfatiza a deputada Eurides Brito (PMDB).

De se calar? Os nossos militares se calaram porque souberam ouvir em volta. A repórter Lília Teles acompanhou o resgate de uma enfermeira, dos escombros do terremoto no Haiti, e relatou esse momento: “Ele está pedindo silêncio, agora. Está ouvindo uma voz, um pedido de socorro: ‘está aqui, aqui’”, diz a jornalista.

O que é representar um povo? Nossos militares rezaram para agradecer por estarem no Haiti no momento do Terremoto. “Graças a Deus, a gente estava aqui. Foi a primeira coisa que eu pensei”, ressalta o sargento Marco Antônio Leôncio.

Para servir ao próximo e não ignorá-lo mesmo o vendo sofrer. “Pelo que eu vi, a poeira subindo na cidade e em todos os cantos, eu sabia que ‘eles’ estariam em apuros. Eu sabia que ia morrer muita gente, sabia que nós seríamos os primeiros a chegar. E a participação da força do Brasil seria fundamental”, afirma o sargento Leôncio.

Enquanto os políticos se trancam ao calor do dinheiro, os militares abrem suas almas ou sentem o toque do pulsar da vida. “Ela está segurando a minha mão. Está bem, está bem”, vibra o sargento Leôncio, no momento do resgate da enfermeira de 43 anos que está grávida.

E ficam gigantes: “Uma vida é uma vida. Mesmo que a gente tirasse apenas uma pessoa com vida, naquela situação, já valeria a pena”, destaca o militar.

Gigantes! E aí nos tornaram enormes, cheios de orgulhos.

Moral da história
Com quem nós nos identificamos: com esses militares; com a doutora Zilda Arns; com os bombeiros do DF que foram para o Haiti; com os que se doam ou com aqueles que se servem dos impostos do povo e aceitam doações ilegais? Quem são os nossos heróis?"

Texto: Liliane Cardoso / Alexandre Garcia
Edição de imagens: Edson Barreto
Pesquisa de imagens: André Bessa (Cedo-DF)

Comentários

  1. Dani, gostei muito do blog novo, ta de parabens. Tudo que voce faz é um sucesso. beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI: