Pular para o conteúdo principal

Falhas processuais levam STF a reintegrar servidores do DNOCS.


"O ministro Cezar Peluso decidiu, no mérito, o Mandado de Segurança (MS) 23280 e declarou a nulidade dos decretos do Presidente da República pela qual foram demitidos, por supostas irregularidades no exercício de suas funções, os servidores públicos Francinaldo de Oliveira Queiroz, Manoel Rodrigues Filho e João Armando Ribeiro. Em consequência, determinou a mediata reintegração aos cargos anteriormente ocupados por eles, com todos os efeitos pecuniários e funcionais.

A decisão foi tomada por força do artigo 205 do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal (RISTF), que permite aos ministros concederem segurança monocraticamente, quando já houver jurisprudência consolidada na Suprema Corte sobre o assunto.

No caso, o ministro aplicou jurisprudência firmada pelo Plenário do STF no julgamento do MS nº 21721, relatado pelo ministro Moreira Alves (aposentado). Naquele precedente, a Suprema Corte assentou que, em processo administrativo, servidor intimado somente como testemunha não pode passar diretamente a indiciado, sem ter figurado, na fase instrutória, como acusado com os direitos (do contraditório e da ampla defesa) a ele inerentes.

Alegações

E foi justamente essa a principal alegação dos autores do HC: de que houvera vício na notificação de instalação do processo administrativo disciplinar aberto contra eles, pois foram notificados na condição de acusados e testemunhas. Portanto, não puderam exercer o seu direito do contraditório e da ampla defesa no momento apropriado.

Ao decidir, o ministro Cezar Peluso assinalou que “o interrogatório é momento processual específico e solene, destinado a esclarecimento de fatos e, essencialmente, à defesa do acusado. Por essa razão, em nada se assemelha, quanto a sua finalidade, às declarações prestadas pelos investigados e reduzidas a termo pela comissão processante (a Comissão de Processo Administrativo Disciplinar, instaurada para apurar denúncias sobre possíveis irregularidades praticadas pelos servidores).”

O caso

Lotados na Divisão de Manutenção e Recuperação (DIBRA-R) do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) na Paraíba, os servidores tiveram aberto contra si processo administrativo disciplinar, acusados da prática de supostas irregularidades naquele órgão, que teriam sido detectados em inspeção da Procuradoria da República.

Em suas conclusões, a comissão disciplinar sugeriu a aplicação da pena de suspensão, de forma agravada. Entretanto, acolhendo parecer da assessoria jurídica da Casa Civil, o Presidente da República decidiu demiti-los.

Entretanto, conforme assinalou o ministro Cezar Peluso ao conceder a segurança, “para punição desta magnitude devem ser observadas regras e garantias que visam ao exercício da ampla defesa, especialmente porque a hipótese não comporta processo sumário, mas depende de minuciosa apuração de fatos que precisa atender a formalidades procedimentais essenciais”. E tais, regras, no entender do ministro, não foram devidamente observadas no caso em tela.

Assim é que a Comissão Processante notificou os servidores na condição de investigados e de testemunhas, não promovendo uma distinção clara entre ambos e tampouco especificando “se se trataria de mera inquirição de testemunha ou de interrogatório de acusado, uma vez que todos os termos intimam a parte para prestar ‘depoimento’”.

Ele observa que a 7ª ata de reunião da Comissão de Processo Administrativo Disciplinar “bem ilustra a confusão conceitual perpetrada pela administração, ao expedir ofício ao superior hierárquico de um dos impetrantes (do MS) para, na forma do artigo 157, parágrafo único, da Lei 8112/90 (Estatuto do Funcionário Público), dar-lhe conhecimento da intimação do envolvido para prestar depoimento”.

Ocorre, segundo o ministro, que tal dispositivo se presta à intimação de testemunha, não à de acusado (artigo 159 da mesma lei). “Aliás”, assinala o ministro, “a lei define que depoimento é ato de testemunha (artigo 158); o acusado é interrogado (artigo 159)”.

“Em tais circunstâncias, a despeito de intimados na forma do artigo 156 da Lei nº 8.112/90, não se está diante de interrogatório, mas de mera inquirição que, dada a sua finalidade, não se presta à punição impingida aos impetrantes, por clara ofensa ao contraditório”, concluiu o ministro Cezar Peluso."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Segundo STJ, servidor em desvio de função tem direito às diferenças de remuneração.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
Apesar de o servidor não poder ser promovido ou reenquadrado no cargo que ocupa em desvio de função, ele tem direito a receber diferença salarial pelo desempenho das funções exercidas. O entendimento é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve decisão anterior da própria Corte em relação ao caso. O desvio de função ocorre quando o servidor exerce funções diferentes das previstas para o cargo para o qual ele foi aprovado em concurso.

O recurso foi interposto pela União. A Turma deu provimento ao pedido apenas no que se refere ao cálculo dos juros moratórios.

A União pretendia que o processo fosse suspenso, pois havia outra ação ainda pendente na Primeira Seção do STJ sobre o prazo prescricional em ações de indenização contra a Fazenda Pública. Sustentou que não poderia ser responsabilizada por diferenças remuneratórias relativas a um alegado desvio de função.

Por fim, argumentou que os juros de mora deveriam ser recalculados,…

Ex-cabos da FAB anistiados voltarão a receber proventos suspensos.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
"Os ex-cabos da Força Aérea Brasileira (FAB) que foram reconhecidos como anistiados políticos por meio da Portaria 1.104/64 do Ministério da Aeronáutica e que, por força de liminar tiveram pagamentos suspensos nos últimos anos, agora voltarão a receber seus proventos e a situação regularizada. Em decisão unânime, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que houve omissão, por parte do Ministério da Justiça, no cumprimento integral da referida portaria e, assim, manteve mandado de segurança concedido anteriormente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – que já tinha dado ganho de causa aos ex-cabos e permitido que retornassem à sua antiga condição.
Na prática, o STJ negou embargo de declaração apresentado pela União contra acórdão do STF referente ao assunto, que foi levantado mediante ação movida por um ex-cabo, no Distrito Federal. A polêmica envolvendo os ex-cabos da FAB foi iniciada com a liminar que suspendeu os seus direit…

PRESIDENTE DO STF SUSPENDE RESOLUÇÃO DA ANS QUE MUDOU REGRAS DE COPARTICIPAÇÃO E FRANQUIAS DOS PLANOS DE SAÚDE.

Decisão cautelar da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, suspendeu a Resolução Normativa 433/2018 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que altera regras de coparticipação e franquias dos planos de saúde. A decisão foi tomada na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 532, ajuizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
Na ADPF, a OAB pediu a urgente suspensão da resolução por ofensa a diversos preceitos constitucionais, como o preceito fundamental da separação dos Poderes e os princípios da legalidade e do devido processo legal. A resolução questionada, dentre outras atribuições, prevê que os beneficiários dos planos de assistência à saúde poderão pagar até 40% do valor de procedimentos como consultas e exames no modelo de coparticipação, além de introduzir a modalidade de franquia para firmar novos contratos de assistência à saúde.
Ao analisar o pedido, a presidente do STF determinou a su…