Pular para o conteúdo principal

Confundido com assaltante é preso indevidamente e leva 8 mil do Distrito Federal.


"Um homem vai receber indenização de R$ 8 mil do Distrito Federal por ter ficado, indevidamente, três dias na carceragem do Departamento de Polícia Especializada do DF. O autor da ação afirma que foi preso em flagrante e processado após ter sido confundido por uma vítima do assalto. A decisão é do Juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública do DF e cabe recurso.

O autor sustenta que, no dia 02 de março de 2006, o policial, após prendê-lo como suspeito, incluiu na ocorrência, ao lavrar o flagrante, que a vítima de assalto o havia reconhecido como um dos bandidos, o que não foi confirmado pela vítima na audiência de instrução realizada pelo Juízo da 8ª Vara Criminal de Brasília. Ainda segundo o autor, a Polícia Civil não checou o álibi apresentado e o delegado de polícia, em juízo, também afirmou que não houve procedimento formal de reconhecimento na Delegacia de Polícia.

Afirma que, após passar um dia preso, o Juiz de Direito plantonista concedeu o benefício da liberdade provisória, mas, em razão da falta do número do inquérito policial no alvará de soltura, houve demora de mais três dias até a soltura. O autor invocou o art 37, § 6º, da Constituição Federal e o art. 954 do Código Civil de 2002 para pedir a condenação do réu a pagar indenização por danos morais e materiais.

O Distrito Federal contestou a ação ao afirmar que não houve abuso de poder na prisão nem falha na atuação dos agentes policiais e sustentou que a autoridade policial não teve outra alternativa senão seguir o procedimento que desencadeou a prisão do autor. Destacou que a absolvição do autor na esfera criminal não é suficiente para assegurar direito à indenização.

Na decisão, o juiz destacou o art. 302, inciso IV, do Código de Processo Penal Brasileiro, que considera em flagrante quem é encontrado, logo depois do crime, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser o autor da infração. Assim foi a situação que motivou a prisão do autor e dos dois outros suspeitos.

Quanto à permanência por mais tempo na prisão, que, segundo o autor, causou intenso sofrimento e gerou sensação de grande humilhação, o julgador ressalta que "esse sentimento ainda se faz presente mesmo depois de transcorrido algum tempo após o fato, revelando-se como um fato que permanece na memória involuntariamente, e que, muitas vezes, o ser humano quer esquecer".

"A privação da liberdade é de fato um ato que atinge a dignidade da pessoa humana de forma muito grave, gerando um dano moral intenso", conclui o juiz. O magistrado decidiu ser razoável o Distrito Federal indenizar o autor em R $8.000 mil, a título de reparação pelo dano moral sofrido."

Referente processo n. 107562-4

Comentários

  1. É triste saber notícias desse tipo, que vão trazer consequências psicológicas, sociais, morais.Entendo que ser preso com justiça é uma tristeza, e ser preso injustamente é uma situação que machuca e transforma a vida de qualquer pessoa.É inaceitável saber que autoridades competentes não coseguem identificar quem é ladrão ou não e levam um inocente a cadeia.Talvez seja simples idenizar o confundido com o culpado, pois uma determinada quantia será entregue e pronto, mas não é tão simples, ser injustiçado severamente, como esta pessoa de que trata o assunto foi, não é com o dinheiro que terá sua vida normalizada.Para este ser humano, tudo será mudado, o trauma poderá fazer com que ele se torne uma pessoa oprimida, querendo viver a margem da sociedade, pois muitas pessoas mesmo sabendo que foi uma injustiça ficam um pouco desconfiada.É muito complicado, idenizar é simples, porém fazer esquecer e fazer com que as outras pessoa esqueçam é muito difícil.Preocupante a situação, quantas pessoas foram confundidas com marginais e estão até hoje presas?Onde estão os princípios que sustentam a sociedade?E a dignidade da pessoa humana?O que acontece com a nossa humanidade?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI:

Postagens mais visitadas deste blog

Segundo STJ, servidor em desvio de função tem direito às diferenças de remuneração.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
Apesar de o servidor não poder ser promovido ou reenquadrado no cargo que ocupa em desvio de função, ele tem direito a receber diferença salarial pelo desempenho das funções exercidas. O entendimento é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve decisão anterior da própria Corte em relação ao caso. O desvio de função ocorre quando o servidor exerce funções diferentes das previstas para o cargo para o qual ele foi aprovado em concurso.

O recurso foi interposto pela União. A Turma deu provimento ao pedido apenas no que se refere ao cálculo dos juros moratórios.

A União pretendia que o processo fosse suspenso, pois havia outra ação ainda pendente na Primeira Seção do STJ sobre o prazo prescricional em ações de indenização contra a Fazenda Pública. Sustentou que não poderia ser responsabilizada por diferenças remuneratórias relativas a um alegado desvio de função.

Por fim, argumentou que os juros de mora deveriam ser recalculados,…

Ex-cabos da FAB anistiados voltarão a receber proventos suspensos.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
"Os ex-cabos da Força Aérea Brasileira (FAB) que foram reconhecidos como anistiados políticos por meio da Portaria 1.104/64 do Ministério da Aeronáutica e que, por força de liminar tiveram pagamentos suspensos nos últimos anos, agora voltarão a receber seus proventos e a situação regularizada. Em decisão unânime, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que houve omissão, por parte do Ministério da Justiça, no cumprimento integral da referida portaria e, assim, manteve mandado de segurança concedido anteriormente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – que já tinha dado ganho de causa aos ex-cabos e permitido que retornassem à sua antiga condição.
Na prática, o STJ negou embargo de declaração apresentado pela União contra acórdão do STF referente ao assunto, que foi levantado mediante ação movida por um ex-cabo, no Distrito Federal. A polêmica envolvendo os ex-cabos da FAB foi iniciada com a liminar que suspendeu os seus direit…

Atribuições do cargo: Lei que limita idade de oficial de saúde da Brigada Militar é inconstitucional.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO CONJUR!

A natureza do cargo de oficial da saúde da Brigada Militar e suas atribuições não justificam a imposição de limite de idade de 29 anos para ingresso na carreira. O entendimento é do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que considerou inconstitucional o artigo da Lei Estadual 12.307/2005, que fixou a idade limite para ingresso no curso básico de oficiais da saúde da Brigada Militar.

O caso foi levado ao Órgão Especial pela 4ª Câmara Cível do TJ-RS, que tem julgado diversos casos semelhantes. Ao pedir que o Órgão Especial reconheça a inconstitucionalidade da lei, o desembargador Eduardo Uhlein observou que a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é no sentido de que a investidura em cargo ligado à saúde, ainda que componha o quadro da carreira militar, não justifica a imposição de limite máximo de idade.

A relatora do caso no Órgão Especial, desembargadora Denise Oliveira Cezar, considerou a arguição de incon…