Pular para o conteúdo principal

Mantida decisão que reintegrou ao cargo agentes penitenciários no Piauí.


"O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Cesar Asfor Rocha, negou pedido do estado do Piauí para suspender a liminar que determinou a imediata reintegração de sete servidores ao cargo de agente penitenciário, sob pena de multa diária no valor de R$ 1.000, em caso de descumprimento.

Em primeira instância, foi concedida antecipação de tutela para que os agentes penitenciários fossem reintegrados ao cargo. Posteriormente, a decisão foi confirmada com a concessão da segurança. “Confirmo a liminar de antecipação de tutela e julgo procedente o pedido dos requerentes, cujas provas dos autos demonstram já terem sido aprovados nas etapas subsequentes do mencionado concurso público, já, inclusive, nomeados para os cargos públicos pleiteados”, afirmou o juiz.

O Tribunal de Justiça do Piauí, após examinar apelação interposta pelo estado, negou provimento ao reexame necessário. “A reprovação dos autores se revela como injusta em vista à ausência de divulgação dos critérios utilizados para a seleção, bem como restou demonstrado nos autos que o ente demandado não disponibilizou os laudos, de modo a possibilitar a realização de defesa dos candidatos”, acrescentou o desembargador.

Com a recusa do estado em cumprir a decisão de reintegrá-los, os servidores impetraram mandado de segurança contra ato do governador e dos secretários estaduais de Administração e de Justiça. A liminar foi concedida. “Efetivamente, houve o trânsito em julgado da decisão que tornou sem feito o exame psicotécnico dos impetrantes, não havendo no mundo jurídico impedimento à concessão ora analisada”, considerou o juiz.

Além de afirmar presente a fumaça do bom direito, devido à existência de decisão favorável transitada em julgado, observou o presidente do STJ que ainda havia o risco de perigo na demora. “Os impetrantes foram afastados de suas funções, o que afeta de forma danosa a vida material e profissional dos impetrantes”, acrescentou.

No pedido de suspensão de segurança dirigido ao STJ, o estado alegou, entre outras coisas, que a decisão afetou a econômica pública, por provocar impacto na folha e potencializar um grave efeito multiplicador. “Foi inaugurado precedente capaz de ensejar a reintegração de servidores exonerados através de suspensão de segurança e que não têm novo título judicial capaz de ensejar seu retorno ao serviço público”, ressaltou.

O presidente indeferiu o pedido do estado, considerando ausentes os requisitos legais para o deferimento da suspensão. “De fato, há decisão com trânsito em julgado no sentido de afastar, no caso concreto, a exigência de aprovação no exame psicotécnico”. “Por outro lado, a inclusão dos impetrantes na folha de pagamento terá como contraprestação serviços a serem executados por eles, não se podendo falar em grave lesão à economia pública”, asseverou Cesar Rocha.

Após examinar a alegação de ilegalidade da liminar concedida, o ministro afirmou que os temas jurídicos de mérito ultrapassam os limites traçados para a suspensão de liminar ou de segurança, “cujo propósito é apenas obstar a possibilidade de grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas”, concluiu o presidente."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Segundo STJ, servidor em desvio de função tem direito às diferenças de remuneração.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
Apesar de o servidor não poder ser promovido ou reenquadrado no cargo que ocupa em desvio de função, ele tem direito a receber diferença salarial pelo desempenho das funções exercidas. O entendimento é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve decisão anterior da própria Corte em relação ao caso. O desvio de função ocorre quando o servidor exerce funções diferentes das previstas para o cargo para o qual ele foi aprovado em concurso.

O recurso foi interposto pela União. A Turma deu provimento ao pedido apenas no que se refere ao cálculo dos juros moratórios.

A União pretendia que o processo fosse suspenso, pois havia outra ação ainda pendente na Primeira Seção do STJ sobre o prazo prescricional em ações de indenização contra a Fazenda Pública. Sustentou que não poderia ser responsabilizada por diferenças remuneratórias relativas a um alegado desvio de função.

Por fim, argumentou que os juros de mora deveriam ser recalculados,…

Ex-cabos da FAB anistiados voltarão a receber proventos suspensos.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
"Os ex-cabos da Força Aérea Brasileira (FAB) que foram reconhecidos como anistiados políticos por meio da Portaria 1.104/64 do Ministério da Aeronáutica e que, por força de liminar tiveram pagamentos suspensos nos últimos anos, agora voltarão a receber seus proventos e a situação regularizada. Em decisão unânime, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que houve omissão, por parte do Ministério da Justiça, no cumprimento integral da referida portaria e, assim, manteve mandado de segurança concedido anteriormente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – que já tinha dado ganho de causa aos ex-cabos e permitido que retornassem à sua antiga condição.
Na prática, o STJ negou embargo de declaração apresentado pela União contra acórdão do STF referente ao assunto, que foi levantado mediante ação movida por um ex-cabo, no Distrito Federal. A polêmica envolvendo os ex-cabos da FAB foi iniciada com a liminar que suspendeu os seus direit…

Atribuições do cargo: Lei que limita idade de oficial de saúde da Brigada Militar é inconstitucional.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO CONJUR!

A natureza do cargo de oficial da saúde da Brigada Militar e suas atribuições não justificam a imposição de limite de idade de 29 anos para ingresso na carreira. O entendimento é do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que considerou inconstitucional o artigo da Lei Estadual 12.307/2005, que fixou a idade limite para ingresso no curso básico de oficiais da saúde da Brigada Militar.

O caso foi levado ao Órgão Especial pela 4ª Câmara Cível do TJ-RS, que tem julgado diversos casos semelhantes. Ao pedir que o Órgão Especial reconheça a inconstitucionalidade da lei, o desembargador Eduardo Uhlein observou que a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é no sentido de que a investidura em cargo ligado à saúde, ainda que componha o quadro da carreira militar, não justifica a imposição de limite máximo de idade.

A relatora do caso no Órgão Especial, desembargadora Denise Oliveira Cezar, considerou a arguição de incon…