Pular para o conteúdo principal

TRT10 mantém retificação dos editais do concurso do Hospital Universitário de Brasília.

 
A Segunda Seção Especializada do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT10) negou provimento ao agravo regimental em mandado de segurança impetrado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSRH) contra decisão da primeira instância que determinou a retificação imediata dos editais 2, 3 e 4 do concurso para provimento de cargos no Hospital Universitário de Brasília (HUB).
 
A juíza Natália Queiroz Cabral Rodrigues, em exercício na 17ª Vara de Brasília, acatou pedido do Ministério Público do Trabalho (MPT), que detectou irregularidades no edital. Segundo o MPT, a empresa estipulou de modo desproporcional o percentual de pontos destinados aos candidatos que possuíssem mais título, na fase eliminatória, além de atribuir um peso maior ao tempo de serviço prestado pelos profissionais de saúde em hospitais de ensino.
 
Ao analisar o mandado de segurança impetrado pela empresa no TRT10, o relator, desembargador Douglas Alencar, concedeu parcialmente a liminar, apenas reduzindo de R$ 50 mil para R$ 25 mil o valor da multa diária fixada pela juíza Natália Queiroz em caso de descumprimento da decisão. No entanto, foi mantida a obrigação de alterar os editais do concurso.
 
Contra essa decisão, a EBSRH interpôs agravo regimental, sustentando, entre outros pontos, que as retificações inviabilizariam o cumprimento do cronograma do concurso, culminando com a não realização do certame. O desembargador Douglas Alencar afirmou que as teses da empresa configuram-se improcedentes.
 
Sem isonomia - Para o magistrado, os critérios estabelecidos nos editais sugerem a ocorrência de ameaça de lesão ao princípio da isonomia. “Afigura-se realmente excessivo, por exemplo, o peso atribuído à segunda e última etapa do certame destinado à escolha de empregados de nível superior. De fato, no que diz respeito aos empregados de nível superior, dos 100 pontos possíveis de serem alcançados no concurso público, 70 pontos referem-se à prova objetiva e 30 pontos referem-se à avaliação de títulos e avaliação de experiência (15 pontos para títulos e 15 pontos para experiência)”, apontou.
 
Na avaliação do relator, houve excesso na atribuição destes 30 pontos às avaliações que têm lugar na segunda etapa, se comparada essa pontuação com os 70 pontos possíveis da prova objetiva e com o total de 100 pontos alcançáveis no total da prova. “Não é comum que os processos licitatórios voltados à seleção de empregados públicos estabeleçam pontuação tão elevada à avaliação de títulos e de experiência profissional”, fundamentou.
 
Segundo o desembargador Douglas Alencar, também não é razoável a diferenciação estabelecida entre o tempo de serviço prestado em hospitais de ensino e o tempo de serviço prestado em outros estabelecimentos. “A diferença entre quem trabalhou em hospital de ensino e quem exerceu a profissão em outro lugar pode atingir o total de três pontos. Relativamente ao concurso para recrutamento de trabalhadores de nível médio, a diferença pode chegar a seis pontos (entre os que têm experiência em hospitais de ensino e os que só possuem experiência em hospitais comuns ou no serviço público) e também a nove pontos (entre os que têm experiência em hospitais de ensino e os que apenas exerceram a profissão)”, sustentou.
 
Processo: 0000226-50.2013.5.10.0000 (PJe)
R.P. - imprensa@trt10.jus.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Segundo STJ, servidor em desvio de função tem direito às diferenças de remuneração.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
Apesar de o servidor não poder ser promovido ou reenquadrado no cargo que ocupa em desvio de função, ele tem direito a receber diferença salarial pelo desempenho das funções exercidas. O entendimento é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve decisão anterior da própria Corte em relação ao caso. O desvio de função ocorre quando o servidor exerce funções diferentes das previstas para o cargo para o qual ele foi aprovado em concurso.

O recurso foi interposto pela União. A Turma deu provimento ao pedido apenas no que se refere ao cálculo dos juros moratórios.

A União pretendia que o processo fosse suspenso, pois havia outra ação ainda pendente na Primeira Seção do STJ sobre o prazo prescricional em ações de indenização contra a Fazenda Pública. Sustentou que não poderia ser responsabilizada por diferenças remuneratórias relativas a um alegado desvio de função.

Por fim, argumentou que os juros de mora deveriam ser recalculados,…

Ex-cabos da FAB anistiados voltarão a receber proventos suspensos.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
"Os ex-cabos da Força Aérea Brasileira (FAB) que foram reconhecidos como anistiados políticos por meio da Portaria 1.104/64 do Ministério da Aeronáutica e que, por força de liminar tiveram pagamentos suspensos nos últimos anos, agora voltarão a receber seus proventos e a situação regularizada. Em decisão unânime, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que houve omissão, por parte do Ministério da Justiça, no cumprimento integral da referida portaria e, assim, manteve mandado de segurança concedido anteriormente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – que já tinha dado ganho de causa aos ex-cabos e permitido que retornassem à sua antiga condição.
Na prática, o STJ negou embargo de declaração apresentado pela União contra acórdão do STF referente ao assunto, que foi levantado mediante ação movida por um ex-cabo, no Distrito Federal. A polêmica envolvendo os ex-cabos da FAB foi iniciada com a liminar que suspendeu os seus direit…

STF MANTÉM DECISÃO QUE DETERMINOU FORNECIMENTO DE REMÉDIO A CRIANÇA EM GOIÁS.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STF!
A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, negou pedido do Estado de Goiás para que fossem suspensos os efeitos de uma liminar deferida pela Justiça goiana que determinou ao secretário de Estado da Saúde fornecer a uma criança o medicamento Spinraza (nusinersen). Ao indeferir liminar na Suspensão de Segurança (SS) 5192, a ministra afirma que a concessão da medida “configuraria dano inverso” e poderia levar à morte da menor, que nasceu em setembro do ano passado.

Em julho deste ano, foi impetrado pela mãe mandado de segurança contra a negativa da Secretaria Estadual de Saúde em fornecer o medicamento. Segundo ela, a criança é portadora de atrofia muscular espinhal (AME) e está internada na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica do Instituto Goiano de Pediatria (IGOPE). Após avaliação, o médico especialista prescreveu o uso contínuo do medicamento e alertou que, caso o tratamento não se iniciasse imediatamente, …