Pular para o conteúdo principal

MDA deve reformular pregão para contratação de eventos, determina TCU.


O Tribunal de Contas da União (TCU) verificou falhas em pregão eletrônico promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). O objetivo do certame analisado pelo tribunal foi o registro de preços para contratação de empresa de eventos para organização de workshops, reuniões, encontros, lançamentos e cursos, entre outros.
Os serviços seriam realizados sob demanda e abrangeriam atividades de planejamento operacional, organização, execução, montagem de infraestrutura, fornecimento de bens, mão de obra e apoio logístico. O objeto foi dividido em cinco lotes referentes às macrorregiões do país e alcançou a ordem de R$ 148,1 milhões.

A auditoria encontrou utilização indevida de índices contábeis para fins de habilitação econômico financeira com adoção de percentuais excessivos, o que, no entanto, não afastou empresas interessadas. As exigências do edital, porém, não têm amparo legal e contrariam a jurisprudência do tribunal. Assim, o TCU determinou ao MDA que exclua as exigências em futuras licitações desse tipo.

Também foi constatada discrepância do quantitativo de eventos do presente certame quando comparado ao montante realizado em anos anteriores. O objeto da licitação e o fornecimento de materiais e serviços não possuem previsões reais de quantidades. O TCU concluiu que a inclusão, no objeto da licitação, de fornecimento de materiais e serviços sem previsão de quantidades ou cujos quantitativos não correspondam às previsões reais está em desacordo com a Lei de Licitações. Segundo o relator do processo, ministro-substituto Augusto Sherman Cavalcanti, “tais omissões revelam ausência de planejamento por parte do MDA e devem ser corrigidas em futuros certames”.
Outras falhas observadas foram quanto à área geográfica, extensa a ser atendida por uma única empresa, e à subcontratação de serviços. O TCU verificou que a subcontratação de até 80% é bastante superior aos percentuais utilizados em licitações anteriores e ao percentual teto estabelecido pela consultoria jurídica do MDA, de 60%.

O TCU determinou, assim, que os registros de preços decorrentes do pregão tenham validade apenas até o final de 2015, o que, segundo o relator, “obriga que o MDA tenha um planejamento mais detalhado para o exercício de 2016 e que realize nova licitação escoimada dos defeitos observados”. A excepcionalidade deverá valer apenas para o próprio MDA, vedada a adesão às atas de registro de preços por parte de qualquer órgão ou entidade das três esferas da administração.

O tribunal também determinou ao MDA que observe várias medidas necessárias à correção das deficiências e impropriedades, caso venha a realizar novo certame de registro de preços para o mesmo objeto.

Leia a íntegra da decisão: Acórdão 1678 /2015 - Plenário
Processo: 2.683/2015-6
Sessão: 08/7/2015

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Segundo STJ, servidor em desvio de função tem direito às diferenças de remuneração.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
Apesar de o servidor não poder ser promovido ou reenquadrado no cargo que ocupa em desvio de função, ele tem direito a receber diferença salarial pelo desempenho das funções exercidas. O entendimento é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve decisão anterior da própria Corte em relação ao caso. O desvio de função ocorre quando o servidor exerce funções diferentes das previstas para o cargo para o qual ele foi aprovado em concurso.

O recurso foi interposto pela União. A Turma deu provimento ao pedido apenas no que se refere ao cálculo dos juros moratórios.

A União pretendia que o processo fosse suspenso, pois havia outra ação ainda pendente na Primeira Seção do STJ sobre o prazo prescricional em ações de indenização contra a Fazenda Pública. Sustentou que não poderia ser responsabilizada por diferenças remuneratórias relativas a um alegado desvio de função.

Por fim, argumentou que os juros de mora deveriam ser recalculados,…

Ex-cabos da FAB anistiados voltarão a receber proventos suspensos.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
"Os ex-cabos da Força Aérea Brasileira (FAB) que foram reconhecidos como anistiados políticos por meio da Portaria 1.104/64 do Ministério da Aeronáutica e que, por força de liminar tiveram pagamentos suspensos nos últimos anos, agora voltarão a receber seus proventos e a situação regularizada. Em decisão unânime, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que houve omissão, por parte do Ministério da Justiça, no cumprimento integral da referida portaria e, assim, manteve mandado de segurança concedido anteriormente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – que já tinha dado ganho de causa aos ex-cabos e permitido que retornassem à sua antiga condição.
Na prática, o STJ negou embargo de declaração apresentado pela União contra acórdão do STF referente ao assunto, que foi levantado mediante ação movida por um ex-cabo, no Distrito Federal. A polêmica envolvendo os ex-cabos da FAB foi iniciada com a liminar que suspendeu os seus direit…

Atribuições do cargo: Lei que limita idade de oficial de saúde da Brigada Militar é inconstitucional.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO CONJUR!

A natureza do cargo de oficial da saúde da Brigada Militar e suas atribuições não justificam a imposição de limite de idade de 29 anos para ingresso na carreira. O entendimento é do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que considerou inconstitucional o artigo da Lei Estadual 12.307/2005, que fixou a idade limite para ingresso no curso básico de oficiais da saúde da Brigada Militar.

O caso foi levado ao Órgão Especial pela 4ª Câmara Cível do TJ-RS, que tem julgado diversos casos semelhantes. Ao pedir que o Órgão Especial reconheça a inconstitucionalidade da lei, o desembargador Eduardo Uhlein observou que a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é no sentido de que a investidura em cargo ligado à saúde, ainda que componha o quadro da carreira militar, não justifica a imposição de limite máximo de idade.

A relatora do caso no Órgão Especial, desembargadora Denise Oliveira Cezar, considerou a arguição de incon…