Pular para o conteúdo principal

DF É CONDENADO A INDENIZAR VÍTIMA DE BALA PERDIDA.




A 2ª Turma Cível do TJDFT deu provimento a recurso contra decisão da 1ª Vara da Fazenda Pública para majorar o valor indenizatório a ser pago pelo Distrito Federal à vítima de bala perdida durante troca de tiros entre a PMDF e supostos criminosos. A decisão foi unânime.

O autor conta que no dia 17/4/2014, por volta das 18h30, transitava por uma via pública na cidade satélite do Riacho Fundo, quando foi atingido por disparo de arma de fogo efetuado por policiais militares que empreendiam busca de suspeitos pela prática de roubo na região. Afirma que, caindo ao chão, pediu ajuda, mas não recebeu auxílio de nenhum dos policiais, vindo a ser socorrido por sua enteada, que o levou a um hospital público. Sustenta que em virtude do ocorrido perdeu um rim e parte do intestino grosso, e até hoje utiliza uma bolsa presa ao corpo para ajudar no funcionamento dos órgãos.

O réu apresentou contestação, na qual afirmou, basicamente, não haver provas de que o disparo que atingiu o autor tenha partido da arma de fogo de policial militar.

Das provas juntadas aos autos, o juiz concluiu crível a versão do autor e registrou: "Impensável, de um lado, que o tiro que o alvejou tivesse sido disparado por um dos perseguidos, na medida em que, se vinham eles à frente dos policiais, evidentemente atiravam para trás, na direção desses, em sentido contrário, portanto, à posição em que se encontrava o autor. De outro lado, considerando-se que os policiais estavam no encalço dos meliantes, trafegando de encontro ao autor, atingido na barriga - pela frente, portanto - forçoso concluir que o disparo tenha partido daquela posição".

Demonstrada, ainda, por meio dos laudos juntados, "a ocorrência de lesão pérfuro-contundente, da qual resultou debilidade permanente da função excretora, em razão da perda de um rim e parte do cólon transverso", o julgador julgou procedente o pedido inicial para condenar o DF a pagar indenização no valor de R$ 25 mil.

Insatisfeito com a quantia fixada, o autor interpôs recurso quanto à decisão.

Na esfera revisional, os desembargadores observaram que as consequências sofridas foram muito graves, uma vez que, em razão das lesões, ele dependerá permanentemente de equipamento externo para controlar parte relevante da função digestiva. Para os julgadores, essa debilidade atinge a dignidade da pessoa humana, na medida em que, além de gerar sérios transtornos psicológicos, configura situação extremamente vexatória, ocasiona maior dificuldade para a inserção da pessoa no mercado de trabalho e dificulta, de forma geral, os relacionamentos pessoais.

Assim, em vista de tais peculiaridades, o Colegiado concluiu pela necessidade da adequação do valor arbitrado, motivo pelo qual deu provimento ao recurso, para fixar a indenização em R$ 100 mil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Segundo STJ, servidor em desvio de função tem direito às diferenças de remuneração.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
Apesar de o servidor não poder ser promovido ou reenquadrado no cargo que ocupa em desvio de função, ele tem direito a receber diferença salarial pelo desempenho das funções exercidas. O entendimento é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve decisão anterior da própria Corte em relação ao caso. O desvio de função ocorre quando o servidor exerce funções diferentes das previstas para o cargo para o qual ele foi aprovado em concurso.

O recurso foi interposto pela União. A Turma deu provimento ao pedido apenas no que se refere ao cálculo dos juros moratórios.

A União pretendia que o processo fosse suspenso, pois havia outra ação ainda pendente na Primeira Seção do STJ sobre o prazo prescricional em ações de indenização contra a Fazenda Pública. Sustentou que não poderia ser responsabilizada por diferenças remuneratórias relativas a um alegado desvio de função.

Por fim, argumentou que os juros de mora deveriam ser recalculados,…

Ex-cabos da FAB anistiados voltarão a receber proventos suspensos.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
"Os ex-cabos da Força Aérea Brasileira (FAB) que foram reconhecidos como anistiados políticos por meio da Portaria 1.104/64 do Ministério da Aeronáutica e que, por força de liminar tiveram pagamentos suspensos nos últimos anos, agora voltarão a receber seus proventos e a situação regularizada. Em decisão unânime, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que houve omissão, por parte do Ministério da Justiça, no cumprimento integral da referida portaria e, assim, manteve mandado de segurança concedido anteriormente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – que já tinha dado ganho de causa aos ex-cabos e permitido que retornassem à sua antiga condição.
Na prática, o STJ negou embargo de declaração apresentado pela União contra acórdão do STF referente ao assunto, que foi levantado mediante ação movida por um ex-cabo, no Distrito Federal. A polêmica envolvendo os ex-cabos da FAB foi iniciada com a liminar que suspendeu os seus direit…

STF MANTÉM DECISÃO QUE DETERMINOU FORNECIMENTO DE REMÉDIO A CRIANÇA EM GOIÁS.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STF!
A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, negou pedido do Estado de Goiás para que fossem suspensos os efeitos de uma liminar deferida pela Justiça goiana que determinou ao secretário de Estado da Saúde fornecer a uma criança o medicamento Spinraza (nusinersen). Ao indeferir liminar na Suspensão de Segurança (SS) 5192, a ministra afirma que a concessão da medida “configuraria dano inverso” e poderia levar à morte da menor, que nasceu em setembro do ano passado.

Em julho deste ano, foi impetrado pela mãe mandado de segurança contra a negativa da Secretaria Estadual de Saúde em fornecer o medicamento. Segundo ela, a criança é portadora de atrofia muscular espinhal (AME) e está internada na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica do Instituto Goiano de Pediatria (IGOPE). Após avaliação, o médico especialista prescreveu o uso contínuo do medicamento e alertou que, caso o tratamento não se iniciasse imediatamente, …