Pular para o conteúdo principal

TCU DISPONIBILIZA CARTILHAS SOBRE GESTÃO EM SAÚDE E AQUISIÇÃO PÚBLICA DE MEDICAMENTOS.

Lançada em dezembro do ano passado, a cartilha para a aquisição pública de medicamentos apresenta um compilado de decisões do Tribunal acerca de temas como modalidades de licitação, pesquisa de preços, critérios de habilitação técnica específicos para os medicamentos e rastreabilidade de notas fiscais.
Cinco mil e quinhentas cartilhas com orientações sobre governança e gestão em saúde e sobre a aquisição pública de medicamentos foram distribuídas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) a secretários municipais de Saúde de todo o País durante o 35º Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde. O objetivo da ação foi ajudar prefeituras e gestores a melhorarem a condução de suas atividades relacionadas a avaliação, planejamento, direcionamento, monitoramento, execução e controle, além de esclarecer dúvidas sobre a compra pública de remédios, que integra a Política Nacional de Assistência Farmacêutica.

Lançada em dezembro do ano passado, a cartilha para a aquisição pública de medicamentos apresenta um compilado de decisões do Tribunal acerca de temas como modalidades de licitação, pesquisa de preços, critérios de habilitação técnica específicos para os medicamentos e rastreabilidade de notas fiscais.

“A lei de como os medicamentos devem ser licitados está dada, mas não necessariamente todas as prefeituras têm condições de conduzir esse processo adequadamente. A cartilha discute justamente a questão da conformidade das aquisições. Ela ajuda o gestor a se prevenir de erros que acontecem cotidianamente e com os quais o TCU se defronta. Ela orienta como se deve proceder para que eles não aconteçam novamente”, explica o titular da Secretaria de Controle Externo da Saúde (SecexSaúde), Carlos Augusto de Melo Ferraz.

O Guia de Governança e Gestão em Saúde, por sua vez, divulga os principais resultados do levantamento nacional de governança e gestão em saúde, executado em 2015 e 2016 pela Corte de Contas, em parceria com diversos tribunais de contas estaduais.

Além da distribuição das cartilhas, o TCU esteve presente no estande “Café colaborativo” e participou do seminário “Governança, planejamento regional integrado e rede de atenção à saúde”. “O auditório estava lotado, todas as vagas estavam ocupadas. Foi uma experiência bem interessante, inclusive porque a palestra foi aberta a perguntas”, informou Ferraz. “Existem algumas racionalidades econômicas que têm que ser tomadas na área da Saúde, se não tiver, o custo acaba sendo muito alto e o resultado de entrega para a sociedade, baixo”.

Organizado pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), o 35º Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde foi realizado em Brasília (DF), de 2 a 5 de julho. O evento reuniu secretarias municipais de Saúde de todo o Brasil e contou com a participação de especialistas em políticas públicas e representantes das esferas municipal, estadual e federal. Seminários, oficinas, debates e palestras integraram a programação deste ano.

CONFIRA A NOTÍCIA COMPLETA AQUI!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Segundo STJ, servidor em desvio de função tem direito às diferenças de remuneração.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
Apesar de o servidor não poder ser promovido ou reenquadrado no cargo que ocupa em desvio de função, ele tem direito a receber diferença salarial pelo desempenho das funções exercidas. O entendimento é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve decisão anterior da própria Corte em relação ao caso. O desvio de função ocorre quando o servidor exerce funções diferentes das previstas para o cargo para o qual ele foi aprovado em concurso.

O recurso foi interposto pela União. A Turma deu provimento ao pedido apenas no que se refere ao cálculo dos juros moratórios.

A União pretendia que o processo fosse suspenso, pois havia outra ação ainda pendente na Primeira Seção do STJ sobre o prazo prescricional em ações de indenização contra a Fazenda Pública. Sustentou que não poderia ser responsabilizada por diferenças remuneratórias relativas a um alegado desvio de função.

Por fim, argumentou que os juros de mora deveriam ser recalculados,…

Ex-cabos da FAB anistiados voltarão a receber proventos suspensos.

CONFIRA A NOTÍCIA NO SITE DO STJ!
"Os ex-cabos da Força Aérea Brasileira (FAB) que foram reconhecidos como anistiados políticos por meio da Portaria 1.104/64 do Ministério da Aeronáutica e que, por força de liminar tiveram pagamentos suspensos nos últimos anos, agora voltarão a receber seus proventos e a situação regularizada. Em decisão unânime, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que houve omissão, por parte do Ministério da Justiça, no cumprimento integral da referida portaria e, assim, manteve mandado de segurança concedido anteriormente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – que já tinha dado ganho de causa aos ex-cabos e permitido que retornassem à sua antiga condição.
Na prática, o STJ negou embargo de declaração apresentado pela União contra acórdão do STF referente ao assunto, que foi levantado mediante ação movida por um ex-cabo, no Distrito Federal. A polêmica envolvendo os ex-cabos da FAB foi iniciada com a liminar que suspendeu os seus direit…

PRESIDENTE DO STF DETERMINA RESTABELECIMENTO DE PAGAMENTO DE PENSÃO A FILHAS DE SERVIDORES FEDERAIS.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, deferiu liminares em dois Mandados de Segurança (MS 35795 e 35814) impetrados por beneficiárias que recebem pensão por morte concedida a filhas solteiras maiores de 21 anos de servidores públicos civis com base na Lei 3.373/1958. Por determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), o pagamento das pensões foi suspenso pelos órgãos de origem de seus pais (Ministérios do Trabalho e do Planejamento, respectivamente). Em razão dos fundamentos jurídicos apresentados e da natureza alimentar da pensão, a ministra determinou o restabelecimento do pagamento.
Os dois mandados de segurança são de relatoria do ministro Edson Fachin que, em maio último, anulou os efeitos do acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU) na parte em que determinou a revisão e o cancelamento de benefícios previdenciários de pensão por morte concedidos a filhas solteiras maiores de 21 anos de servidores públicos civis, com base na L…